O Buda humano

Um homem abriu sua mente para pensar a humanidade. O Universo conspirou pra que ali se revolucionasse.

Desde então ilumina muitos caminhos com (or)ações quânticas de substâncias cósmicas.

E os seus versos ganharam espaço em seus passos. E os seus passos brilharam num espaço especial na luz dos corações dos outros...

(Barbara Ella, pensando Ikeda

Em mente trancada não entra luz

Não dá pra ter uma opinião sobre alguém que se viu menos de uma dúzia de vezes, por poucas horas, em poucas palavras, sem compreender o tom do seu olhar e do seu sorriso. Sem realizar com ela trocas verdadeiras.  Sem conhecer suas dores, medos e aflições.  Sem entender que gosto tem pra ela suas próprias alegrias, conquistas e vitórias.

Não dá pra ter uma opinião sobre alguém,  baseado no que disseram, baseado naquilo que você nem viu ou, por simples, ouviu dizer e desconhece as perspectivas do fato.

Não dá pra ter uma opinião sobre alguém em razão de uma falha, uma fala, um erro ou mesmo um acerto...

Afirmar qualquer coisa sobre alguém que você não visitou a alma é, no mínimo, imaturo demais...

(Barbara Ella

Banda de lá e cá

Sou de carne e de osso e de músculo e cérebro. Sou emoção.

Contraio e pulso e expulso o demérito. Imperfeição.

Sou mais carne que osso. Mais dente que saliva. Mais discurso que fascínio. Ilusão.

Sou defeito tosado. Amor descomplicado. Sou pecado e perdão.

Sou apenas mais uma pessoa que pensa e que dança. Que erra e descansa. Que grita e que reza pra ser melhor que fora antes de se amar de novo...

((Sou a rima pobre do horário nobre))

Sou só mais uma gente por hora consciente... Mas tem hora que não!

(Barbara Ella complicada e perfeitinha

Conto Psicorientalista

Duas pessoas conversavam sobre uma terceira pessoa. Elas criticavam sua conduta e afirmavam com veemência que as palavras usadas pela tal, eram palavras duras demais.

Com o passar das luas, os comentários foram sendo alimentados, e os "achares" encontraram abrigo num coro de vozes.
Apareceram opiniões e críticas de todos os lados! E o mais incrível é que as tais vozes pareciam amistosas aos ouvidos da semelhante imperfeita.

Resultado da intolerância: O mal  cometido pela terceira pessoa tornou-se ínfimo diante da maldade coletiva.

E foi assim que o Universo sincronizou os "dizeres" e "sentires", aliviando o fardo daquela que errou e não teve a chance de se redimir.

((Porque falar mal do outro em sua ausência, torna qualquer pessoa injusta e covarde))


(Barbara Ella acompanhando os ponteiros do relógio 



Desprendei-vos da sofrência

Porque discordei de dizeres e táticas, perdi atores e prejuízos inestimáveis à saúde...

Perdi um lugar na mesa dos brindes envenenados, uma atuação wikipédica inventada e um contato na agenda...

Quem sabe um rim numerado ou até qualquer glória da dor de prender palavras...?

Porque enderecei o juízo, corri da alegria que não existe no outro lado do abraço.

Só porque quis. Porque delatei o bouquet de clichês. Porque iluminei o plano de fundo da cena e me encontrei nos braços da liberdade que as palavras me trazem...

Só porque não fui aceita com meu grito e meu silêncio. Só porque não premeditei ser agraciada e assumi a consequência quântica de seguir por outra estrada...

Só porque me amo e me respeito, veja que beleza!

((Há vários sabores de rolos de letras desonradas, na esquerda e na direita))

(Barbara Ella sendo grata por toda situação que gera aprendizado

Ouro olímpico

Legado 

É o compasso do coração 

Batendo no peito do outro...


(Barbara Ella prestando uma homenagem sincera ao herói olímpico Stefan Henze

Poeira

Grata,
Saara,
Pela poeira
Nutrida,
Que alimenta a mata que respira

Una
Com a humanidade...

(Barbara Ella olhando com os olhos da Nasa

http://mundogeografico.com.br/nasa-2/

Para o alto e avante!

Barbara Ella convidando você a valorizar os pequenos detalhes da vida...

((A revolução começa lá dentro))

Ética


Ouviu dizer, não espalhe
Não é bem vindo, saia
Se puder ajudar, ajude
Estenderam-lhe a mão, agradeça
Outro fez, credite
Dividiu o trabalho, compartilhe as glórias
Chateou, diga
Perdoou, esqueça
Está feliz, seja grato
Quer ser amado, ame
Foi acusado injustamente, creia nas voltas que o mundo dá

((Não sinta inveja das pessoas))

Mas se errou, desculpe-se e siga seu caminho, buscando cometer novos erros. Porque reciclar ou reaproveitar dores não ensina, nem aprende.  Só dói...

(Barbara Ella tentando não repetir velhos erros



Go

Go go!
Porque monstros imaginários habitam a realidade...

(Barbara Ella

Da cabeça aos pés

Descubro um cacoete irritado na carne da boca a cada pouco que morro de véspera ((sem poesia))

Inaceitável ser seca na sede do homem, sendo amor...

(Barbara Ella gets the power

Coração inflacionado

Hoje eu vi a Marina em Ipanema
Colasanti elegante e plena

Tenho um cacho moreno que me cruza os  dedos nos cabelos a todo instante
E um coração sem pausa
Sem ponto ou virgula
Pisado de muitos zeros havidos
Ávidos de verdade

Eu tenho um Deus tão dentro
Dos meus eus
Que seria impossível ser abandonada

Eu sou um templo de pulsar cósmico

Gosto da ideia de fragmentar e encerrar interrogações com a suavidade das reticências...

Tenho a mim e aos meus amores
                                                    Menos hoje
Porque o amor anda inflacionado

((Fantasmas zumbis se alimentam de amor engasgado))

Ah, que paz ser quem sei que sou...

(Barbara Ella

*Imagem do ZAP

Há temporal

Eu era uma sílaba in-decifrável, enquanto tentava juntar os hiatos em busca da raiz primitiva do sonho.

Era um coro, um brinde ou uma desculpa trincada de frio, mas era asa. Sarsa de carvão flutuante, sã e sem dó...                                             

                                              E
                                          R
                                              R
                                          O
Avancei duas casas até a T,

Mas só porque coleciono ((SORTE))
                                                                                    
E por ver em meu céu tantos passados,
Apoio ser presente num futuro distante. Dançante e sem a sofrência de me arrepender por ter perdido a doçura...




Barbara Ella poetinhando)