Face a face com o efêmero fluído da verdade, deito os dedos trançados nas plantas das mãos. Quero a leveza de voar no céu da minha cabeça, com os pés descalços.
(Barbara-Ella.
Postar um comentário