Bardo

Corre poesia no sangue do homem. Surreal e quase lúcido.
(Barbara-Ella

Postar um comentário