A Santa de Rabo - Parte V


O tempo foi passando e Santa foi retomando o fôlego. Jurou para si mesma não deixar barato as marcas de batom encontradas sobre o seu lençol. Santa desconfiava que o gordo, mancomunado com a vizinha, tinha descoberto suas escapulidas com o diretor... E por tocar no assunto, vale acrescentar sua promessa de meter o pé daquele coleginho medíocre, pois o que imaginou conquistar nos metros quadrados de mesas enfileiradas passou do ponto. Seu admirador de outrora havia se tornado simplesmente seu "chefe", com direito à broncas pelos atrasos ou pelos decotes inadequados a uma ajudante de professora.
Ela planejava retornar para sua cidade natal, chão de terra onde as pessoas estavam acostumadas a adular qualquer um que tivesse impregnado do cheiro da marisia. Estava disposta a ver o lado bom de uma vida medíocre e sem graça, na curva do esquecimento. Tudo em troca de traçar novas metas e repousar as pálpebras acinzentadas pelos incidentes...
Foi no meio do caminho, entre o que buscava e o que tecia em sua mente, que a caixa de emails sussurrou algumas novidades ao pé do ouvido...
Era um endereço desconhecido. Um nome de mulher. Ele trazia duas linhas, que para Santa soaram como versos de uma novidade inspiradora: DESEJO SEUS OLHOS FITADOS EM MIM. QUERO VOCÊ E SUAS DORES.
Os sonhos de Santa umideceram aquela noite...
(Barbara-Ella
...E a saga de Santa continua.

Postar um comentário