Treze pensamentos de Barbara-Ella, até que o doze se encerre

I - Às vezes me pergunto: Pra que tanta profundidade se é no "raso" que o mundo se banha?
Essa mania de pensar liberta, mas faz sofrer.
Tem paz, aquele que vive na ignorância da obviedade...

II - Algumas coisas acontecem em nossas vidas, para que possamos superá-las. São como vias de aprendizado. Escolhamos, pois, os melhores recursos e a dimensão da alma se alargará...

III - Deixem-me livre das tradições que devoram a rebeldia. Quero mesmo é o calor dos trópicos evaporando palavras  para dentro dos corpos...

IV - Que o Natal sirva, principalmente, para aquecer os  corações com a luz da fé
de cada um...

V - Descobri o que era a estrela brilhante que acompanhava a lua. Vi Júpiter no vigésimo quinto dia de dezembro a olho nu.

VI - Pela letra, hoje, sou outra.

VII - Tenho me esforçado mais para ouvir mais daquilo que julgo saber. Porque de tudo sei que muito falta, mas um dia hei de, ao menos, reconhecer...

VIII - Depois que remendei palavras no rodapé da boca do céu, parcebi o Universo em mim...

IX - Ano treze de radiantes cores Preenchendo as possibilidades!

X - Depois de tudo. Antes de enlouquecer.

XI - Sou aquilo o que penso e um pouco da minha timidez.

XII - Canta andando, candango...

XIII - Que beleza. Nossa, que bacana!

(Barbara-Ella

Postar um comentário