Fotopoemando 4 - Corujando

Na liberdade, transformam-se todos os olhares. O coração dispara breve, do vazio ao infinito. Tudo sorri mais espontaneamente livre. A retina contempla voos nada radicais sobre a razão. São voos rasantes que dissipam as supostas névoas criadas pelo medo. Pela inércia. Pela intolerância de quem não voa. Por quem não cria. Não lia nem lê nas entrelinhas.

Mas nem esses, nem aqueles importam mais, nem menos. São todos salvos na liberdade.

Eis a Sabedoria: Desejar ser multidimensionalmente liberto, para ser livre.

(Barbara-Ella

Fotografias da amiga e atleta, Claudia Paes Leme.

Postar um comentário