Vermelho não lhe cai bem

Gostava quando brindava com olhos cintilosos a dor de quem se entrega.
Seus versos pareciam talhar um portal pelo avesso da alma de quem ouvia seus gestos.

Era inteira um poema sol, amarelo e radiante.

Um dia, voou tão longe do eco que o amor lhe gritava, que se alienou entre vozes dopadas e insones.

A pobrezinha repousou, desde então, uma cor artificial no beijo e divou o dizer editado e desinteressante de tudo o que é fabricado.

(Barbara-Ella

Postar um comentário