Fogo na poesia d-Ella

Escrevi pilhas de cadernos que arderam no fogo. Meus "is" pingavam lágrimas e todos achavam que eu fosse louca. Eram versos que diziam meus mitos e meias verdades sobre os rostos que era obrigada a ver todos os dias. Mas hoje, depois das cinzas que sufocaram meu passado, os julgamentos sobre a "poesia" cessaram e quem era simples passou a frequentar saraus. Seria  presente,  se eu não dependesse da verdade para ver no futuro algum amor.

(Barbara-Ella

Postar um comentário