Fortaleza de papel

Questionada a respeito de uma conduta pouco conveniente,
De dar com os dentes um sorriso de rupturas emolientes,
Indagou a não obrigação de ser a mesma gente de antes.

Não suportou não passar no teste
E se achou grande demais pra "coisa" que se propôs ser.

Categoricamente, deu com os ombros, 
Num mergulho pro centro do umbigo.

Dentes, ombros, umbigo...

Cara de anjo de origame úmido.
Não passa daquilo que renega diante da fonte. 


(Barbara-Ella



Postar um comentário