A caminho

Estou sem sono e aflita. As coisas não me parecem bem por aqui. O som que me atravessa não é livre.  E essa tal liberdade quase me oprime.

Uso os polegares pra correr da hipocrisia. São tantos hiatos saltando de palavra em palavra...

PS: Seleção natural. Só Gaia pra segurar a gana do homem por um tempo. Assino a petição com ponto final.

Arremesso a métrica seis andares abaixo e mudo o gênero do caminho de propósito.

((Às vezes uma única palavra é poesia.))

Que tal substituir o óbvio por um pouco de caos?

Não cativo ninho em colo de passarinho...

Barbara Ella bem longe de tucanices)


Postar um comentário