Palavra perdida, palavra achada

Olho e palavra. Olho, palavra e afeto. Olho, palavra e afeto ora outra prefixado.

Palavras podem conter olhares correntes, que desaguam imagens na captura do outro. Penso que deve ser boa a inocência de carregar apenas palavras leves. Mas para desvendar o segredo das cartas na mesa é preciso de um punhado de palavras. Palavras nomes. Palavras vitrines.  Palavras pães. Palavras asneiras...  

Sou o que dizem as palavras que me aceitam. Gosto de cativar palavras, porque posso prever o coração das pausas silabadas.

((Mas enterrei minha coleção de palavras que dão nó na garganta))

Palavras que me alertam são minha atual tendência. Palavras são minha liberdade.

Só não curto o tempero das palavras  desagradáveis, socadas num pilão com sagu e sarcasmo.  Palavras de cutucar ferida não são boas pra quem ama.

(Barbara Ella

Postar um comentário