Coração inflacionado

Hoje eu vi a Marina em Ipanema
Colasanti elegante e plena

Tenho um cacho moreno que me cruza os  dedos nos cabelos a todo instante
E um coração sem pausa
Sem ponto ou virgula
Pisado de muitos zeros havidos
Ávidos de verdade

Eu tenho um Deus tão dentro
Dos meus eus
Que seria impossível ser abandonada

Eu sou um templo de pulsar cósmico

Gosto da ideia de fragmentar e encerrar interrogações com a suavidade das reticências...

Tenho a mim e aos meus amores
                                                    Menos hoje
Porque o amor anda inflacionado

((Fantasmas zumbis se alimentam de amor engasgado))

Ah, que paz ser quem sei que sou...

(Barbara Ella

*Imagem do ZAP

Postar um comentário