Há temporal

Eu era uma sílaba in-decifrável, enquanto tentava juntar os hiatos em busca da raiz primitiva do sonho.

Era um coro, um brinde ou uma desculpa trincada de frio, mas era asa. Sarsa de carvão flutuante, sã e sem dó...                                             

                                              E
                                          R
                                              R
                                          O
Avancei duas casas até a T,

Mas só porque coleciono ((SORTE))
                                                                                    
E por ver em meu céu tantos passados,
Apoio ser presente num futuro distante. Dançante e sem a sofrência de me arrepender por ter perdido a doçura...




Barbara Ella poetinhando)

Postar um comentário