Ponta de lança

Um dia imaginei o tempo
Transmutada num sonho
E lá encontrei uma lança cravada
No peito da poesia.

Desejei animá-la. Acudi-la.
E atravessei um espelho de Eras
Lançando fora o receio que persistia.

((Passei algum tempo refletindo sobre os ângulos do meu olhar melodramático))

Precisei suavizar meus ruídos
Gerando supernovas no céu da minha boca.
Foram estrelas e mais estrelas nascendo e morrendo na velocidade de vinte anos.

Demorou um pouco, mas a dor deixou de doer... Então, acertei comigo que as palavras que trago ressignificarão cada batalha que travo.
 
Se um dia minhas asas estiveram presas, agora é futuro.

Barbara Ella)))

Imagem colhida da Internet 🙏💪

Postar um comentário