TXT de gaveta

Não justifico o meu estado febril, tentando corpos inaudíveis em troca de pele e sal.
Envolvo-me com mentiras solitárias e aceito a parte de mim que se des(pe)de, sutil e de olhos arregalados.
Desejo uma narrativa fantástica ou um cálculo ordenado por algarismos intermináveis, contanto que me ajudem a entender o que se passa, quando ouço ecos dentro de mim...
Barbara-Ella)

Postar um comentário